29 de dez de 2007

2007 subiu no telhado

Pensou-se: dormir sem hora para acordar. Fez-se: rolar da cama antes das oito!!!!
Café lindo na mesa.
Um Calor infernal também se adiantou, e o que parecia ser uma manhã de alegria virou tristeza sem nome. Não me perguntem porque o calor tem um efeito tão devastador sobre mim. Não sei. A medicina chinesa tem lá as suas explicações, na análise já fiz as minhas associações .... e nada disto resolveu. Bom mesmo é FRIO, vento, CHUVA, névoa ... luz só daquela que não esquente muito, aposto que no paraíso a Luz não faz a gente sentir calor.
Mas morrer assim por ele também não morro (só quase, quase sempre). Há de serem outros os motivos a me levarem da vida.
Terra!! pensei. Uma virginiana precisa de terra!! E de terra bem molhada, com cheirinho de chuva exalando e refrescando tudo!!! E precisa de beleza! Da simplicidade de margaridas limpinhas com singelo miolo amarelo.
Enxada, pás, vaso abarrotado de pés de margaridas, pedaço de terra implorando por nutrir novas vidas.
E eu doidinha por um recanto verde-fresco-ventarolando.
Três horas depois: o Jardim das Margaridas brotou, ainda sem a grama verde-fresco (que chegará em duas semanas), mas já com uma caminho japonês de seis ripas de madeira. Nele também há uma rede cor de abóbora, pendurada em árvore quase bonsainiana com flores brancas, onde por uma tarde inteira fiquei a me balançar e a balancear o 2007 que subiu no telhado.
Até o Céu se animou e provindenciou ventos e CHUVA no fim do dia. Vai ver ele também estava doidinho por um jardim de margaridas.


(Liliane M. A. Silva)

24 de dez de 2007

à Lavínia Saad

deslizando em significantes
errando entreletras
nasceu foi para escrever
escriba do andarilhar


(Liliane M. A. Silva)

primeiro haicai

vento passou
jasmim na calçada
poça enfeitada

(Liliane M. A. Silva)

Retrato falado de Jesus

"Sabendo que desejas conhecer quanto vou narrar, existindo nos nossos tempos um homem, o qual vive atualmente de grandes virtudes, chamado Jesus, que pelo povo é inculcado o profeta da verdade, e os seus discípulos dizem que é filho de Deus, Criador do céu e da terra e de todas as coisas que nela se acham e que nela tenham estado; em verdade, Ó César, cada dia se ouvem coisas maravilhosas desse Jesus: ressuscita os mortos, cura os enfermos, em uma só palavra: é um homem de justa estatura e é muito belo no aspecto, e há tanta majestade no rosto, que aqueles que o vêem são forçados a amá-lo ou temê-lo. Tem os cabelos da cor da amêndoa bem madura, são distendidos até as orelhas, e das orelhas até as espáduas, são da cor da terra, porém mais reluzentes.

Tem no meio da fronte uma linha separando os cabelos, na forma em uso nos nazarenos, o seu rosto é cheio, o aspecto é muito sereno, nenhuma ruga ou mancha se vê em sua face, de uma cor moderada; o nariz e a boca são irrepreensíveis.

A barba é espessa, mas semelhante aos cabelos, não muito longa, mas separada pelo meio, seu olhar é muito afetuoso e grave; tem os olhos expressivos e claros, o que surpreende é que resplandecem no seu como os raios do Sol, porém ninguém pode olhar fixo o seu semblante, porque quando resplende, apavora, e quando ameniza, faz chorar; faz-se amar e é alegre com gravidade.

Diz-se que ninguém nunca o viu rir, mãos muito belos; na palestra, contenta muito, mas o faz raramente e, quando dele se aproxima, verifica-se que é muito modesto na presença e na pessoa. É o mais belo homem que se possa imaginar, muito semelhante à sua mãe, a qual é de uma rara beleza, não se tendo, jamais visto uma mulher tão bela, porém se a majestade Tua, ó César, deseja vê-lo, como no aviso passado escreveste, dá-me ordens, que não faltarei em manda-lo o mais depressa possível.

De letras, faz-se admirar de toda cidade de Jerusalém; ele sabe todas as ciências e nunca estudou nada. Ele caminha descalço e sem coisa alguma na cabeça. Muitos se riem, vendo-o assim, porém em sua presença, falando com ele, tremem e admiram.

Dizem que um tal homem nunca fora ouvido por estas partes. Em verdade, segundo me dizem os hebreus, não se ouviram jamais, tais conselhos, de grande doutrina, como ensina este Jesus; muitos judeus o têm como Divino e muitos me querelam, afirmando que é contra a lei de Tua Majestade; eu sou grandemente molestado por estes malignos hebreus.

Diz-se que este Jesus nunca fez mal a quem quer que seja, mas, ao contrário, aqueles que o conhecem e com ele tem praticado, afirmam ter dele recebido grande benefícios e saúde, porém à tua obediência estou prontíssimo, aquilo que Tua Majestade ordenar será cumprido.

Vale, da Majestade Tua, fidelíssimo e obrigadíssimo... Públio Lêntulo, presidente da Judéia.

Líndizione sétima seconda".

(Este documento foi encontrado no arquivo do Duque de Cesadini, em Roma. Essa carta, onde se faz o retrato físico e moral de Jesus, foi mandada de Jerusalém ao Imperador Tibério César, em Roma, ao tempo de Jesus).

(Publicado no Correio Fraterno do ABC Nº 364 de Maio de 2001)

é logo ali



Por onde você vai?
A cidade tem avenidas lindas
Tem pontes colossais
Tem viadutos abismais
Por onde você vai?
As relações têm abraços efusivos
Têm aperto de mãos oficiais
Têm beijinhos coloquiais
Por onde você vai?
O natal tem banquetes à Bashô
Tem iguarias especiais
Tem uísque para nunca mais
Por onde você vai?
Tem amigos clarisses, henriques e joaquins?



Têm crianças wesleys, jennifers e maikes
nomeadas pipocos, 42 e zé pequenos
haicais do que é a vida logo ali.




(Liliane M. A. Silva)

Natal fora do Eixo


Céu azul e sol animado
O varal se enche de cores
Mesmo que o papai noel não chegue
A Árvore de natal já está arrumada.


(Liliane M. A. Silva)

23 de dez de 2007

Natal






Que nós possamos descobrir que os Sonhos de Paz e Alegria só se sustentarão do que do Amor conseguirmos materializar, conosco e com as outras pessoas.
Um Natal iluminado por muitos abraços.
Um 2008 cheinho de novos projetos e realizações.
Um grande abraço aos amigos já de longa data, um abraço de boas-vindas àqueles que chegam agora.



20 de dez de 2007

Experimentar Poesia II

manhã de chuva mansa
papéis espalhados e tv desligada
tudo espera o dia acabar

(Liliane M. A. Silva)

19 de dez de 2007

experimentar poesia I

manhã de mormaço
um passarinho passeia no telhado
pula e canta.

(Liliane M. A. Silva)

7 de dez de 2007

A Academia também suas poesias.

A Linguagem é sempre descontínua em relação à realidade, não é uma entidade geradora de signficados definitivos. Além disso, o sujeito que a produz é um efeito de linguagem, uma REVERBERAÇÃO, um precipitado na ordem do discurso, do qual não é mestre. Nas palavras de Jacques Lacan, "enquanto é linguagem, nunca há univocidade do símbolo ... a linguagem não é feita para designar coisas ... há um logro estrutural da linguagem humana, neste logro está fundada a verifcação de toda a verdade".

LONGO, Leila. Linguagem e Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.