30 de ago de 2007

Lirear


Lá se vai um tempo

Do tempo só de projetos.

Sonhos envoltos em nuvens,

Não nus, que assim era nada demais.

A palavra tatuou desde o início o ponto de passagem entre o vivido e o a viver.

Mas não resolvia todos os passos.

Foi preciso cada dia

Foi preciso todo dia

Voltar e nascer

Voltar e fazer

Voltar, mesmo sem crer,

E então renascer.

Deixar o vento levar,

A primavera chegar.

Enfim lirear.

Tornear em verbo a beleza,

Tornar a reverberar a beleza